A desqualificação política e inabilidade nas negociações por parte do governo Rui Costa levaram ao cancelamento da reunião com o Movimento Grevista, na quinta-feira (16). Indignados, professores e estudantes reafirmaram a importância da greve e mantiveram a ocupação por tempo indeterminado da Secretaria da Educação (SEC). Os professores exigem reunião para agilizar o debate sobre a pauta.

Na reunião de negociação de quinta-feira (16), o governo responderia ao documento encaminhado pelos professores que reafirma os princípios da contraproposta apresentada no dia 6 desse mês. Ao verificar a presença na sala de reunião do movimento estudantil, que além de apoiar os professores reivindica pauta própria, o chefe de gabinete, Wilton Cunha, descumpriu um acordo firmado por ele mesmo durante a manhã e se retirou do local. Também informou que a demanda dos alunos seria discutida em outro momento pela Secretaria das Relações Institucionais (Serin).
 
Acordo descumprido
 
No período da manhã, como mais um ato de protesto para pressionar a uma solução para a greve, alunos e professores bloquearam os portões de acesso à Secretaria. Cunha se comprometeu a receber também o movimento estudantil, na reunião marcada para a tarde com o Movimento Docente (MD), caso os manifestantes liberassem a entrada. Para os professores, o não cumprimento do acordo reforça que o representante do governo não assume os compromissos firmados e não se mostra um negociador confiável.
 
Diante à negativa do governo Rui Costa em agilizar o debate da pauta das categorias, e da tentativa de colocar o MD contra os estudantes, o Comando de Greve dos professores insistiu para que os alunos fossem ouvidos. Em respeito e solidariedade à reivindicação desses por políticas de permanência, os docentes tencionaram pelo retorno dos representantes de Rui Costa à sala de reunião. De maneira autoritária o coordenador de Desenvolvimento a Educação Superior - CODES, Paulo Pontes, reafirmou que não participaria daquela mesa para discutir demanda estudantil.
 
Docentes e discentes, com o objetivo de avançar nas negociações, ainda aguardavam por um retorno do governo na sala de reunião, mas foram informados que esta não seria realizada. À noite, com o intuito de intimidar os manifestantes e desgastar o movimento, a vigilância policial da SEC foi reforçada, inclusive com viaturas da Rondesp. Houve também suspensão do uso dos banheiros por algumas horas. Questionado pelos docentes, Wilton Cunha informou que o acesso às instalações não estava impedido.
 
Para o Comando de Greve, a não realização da mesa de negociação é reflexo do descaso deste governo com as Universidades Estaduais e com os direitos trabalhistas dos servidores. Empenhados em garantir que as Universidades continuem a cumprir com o papel de formar profissionais-cidadãos, os professores, com o apoio dos estudantes, se mantêm mobilizados e acampados na SEC, cobrando uma resposta imediata do governo.
 
Fortaleça a luta
 
Diante da irresponsabilidade dos representantes do governo, o Comando de Greve dos professores convoca toda a categoria e o Movimento Estudantil a participar e reforçar a ocupação da Secretaria Estadual da Educação. As negociações estão em um momento importante e todos são fundamentais neste momento de luta. Para que os interessados possam vir integrar o movimento, as Associações Docentes disponibilizarão a infraestrutura necessária. A hora é agora! Venha somar e fortalecer ainda mais a luta em defesa da universidade pública, gratuita e de qualidade socialmente referenciada. Vamos mostrar a força das Universidades Estaduais da Bahia.
 
#OcupaSEC
 
#ABahiaQuerResposta